Desembargador relator vota para que pena de Dirceu seja dobrada para 41 anos

Resultado de imagem para João Pedro Gebran Neto
Desembargador João Pedro Gebran Neto

Bernardo Barbosa

Do UOL, em Porto Alegre

Um pedido de vista do desembargador Victor Laus, da 8ª Turma do TRF-4 (Tribunal Regional Federal da 4ª Região), sediado em Porto Alegre, adiou nesta quarta-feira (13) a decisão sobre recurso de apelação do ex-ministro José Dirceu (PT) em processo da Operação Lava Jato.

Antes, o relator do caso, João Pedro Gebran Neto, votou para ampliar a pena de Dirceu para 41 anos, quatro meses e 15 dias de prisão. O desembargador Leandro Paulsen, que completa a turma, condenou Dirceu a 27 anos em seu voto.

Na primeira instância, o ex-ministro foi condenado pelo juiz Sergio Moro a 20 anos e dez meses pelos crimes de corrupção passiva, lavagem de dinheiro e organização criminosa. Gebran e Paulsen mantiveram a condenação a Dirceu por esses delitos, ampliando a pena.

O advogado do ex-ministro, Roberto Podval, disse que as acusações contra Dirceu “não fazem sentido” e criticou as condições em que fez a defesa do ex-ministro no processo.

Laus não se estendeu ao justificar seu pedido de vista, dizendo apenas que ainda tem “pelo menos duas dúvidas” sobre o processo.

O pedido de vista significa que o desembargador solicitou mais tempo para estudar o caso, adiando o seu voto. Não há prazo para que a apelação volte à pauta do tribunal.

Facebook Comments